SulOffice.pt

VRSA: Peça «BullDog» leva ao palco do Centro Cultural tema do bullying

O coletivo Janela Aberta Teatro (JAT) apresenta, no próximo dia 23 de setembro (sábado), às 21h30, no Centro Cultural António Aleixo, o espetáculo «BullDog». A produção contém uma importante mensagem pedagógica e social sobre a prática do bullying e as suas causas e consequências na vida individual e coletiva.

Uma obra sem palavras, representada através da linguagem do Teatro Físico e Máscara Expressiva, tornando-a acessível a todos os públicos, contornando barreiras de género, idade, nacionalidade, cultura, capacidades cognitivas, auditivas, entre outras.

«BullDog» é uma criação original do JAT que utiliza a linguagem da Máscara Expressiva e do Teatro Físico. Um espetáculo de grande elegância, exigência física e precisão que, de forma poética e simbólica, aborda temas sociais e humanos, como o bullying, a amizade, o amor e a família. Uma trepidante viagem, através da vida das personagens, que transporta o espetador até à sua juventude.

Com o propósito de sensibilizar o público para o problema do bullying e para algumas das possíveis causas e consequências, a peça procura analisar o tema sob vários pontos de vista, tanto da perspetiva de quem sofre, de quem assiste, como de quem faz bullying. Nesta abordagem artística, vítima e agressor são ambas vítimas do contexto social em que se inserem e torna-se necessário observar os dois lados da mesma moeda.

A criação e a encenação da peça são da autoria de Miguel Martins Pessoa e Diana Bernedo.

Os ingressos têm o valor de 8 euros e encontram-se à venda na bilheteira do Centro Cultural António Aleixo, em VRSA, ou em www.bol.pt.

 

Sinopse:

O primeiro dia de aulas, depois das férias, é o mote que dá início à peça BullDog.

Quatro jovens, com personalidades distintas, vivem histórias de amizade, amor e brutalidade, naquele espaço social que marca a nossa adolescência e as nossas vidas: a escola.

Um espetáculo de máscara expressiva, sem palavras, que combina comédia, drama, reflexão e esperança.

 

Ademar Dias

Partilha este artigo