N Engenheiros

Endividamento da economia 'fecha' 1.º semestre nos 762,5 mil milhões

No final do primeiro semestre de 2021, o endividamento do setor não financeiro situou-se em 762,5 mil milhões de euros, dos quais 350,5 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 412,0 mil milhões de euros ao setor privado, de acordo com os dados divulgados, esta quinta-feira, pelo Banco de Portugal (BdP).

Em comparação com o final de 2020, o endividamento do setor não financeiro aumentou 14,1 mil milhões de euros.

"Esta subida deveu-se aos aumentos de 8,1 mil milhões de euros do endividamento do setor público e de 6,0 mil milhões de euros do endividamento do setor privado", adianta o BdP.

Importa ainda sublinhar que a subida do endividamento do setor público resultou, "sobretudo, dos acréscimos registados no endividamento junto do setor financeiro (4,4 mil milhões de euros) e no endividamento perante o exterior (3,0 mil milhões de euros).

No caso do setor privado, o endividamento das empresas aumentou 4,0 mil milhões de euros, "subida explicada principalmente pelo financiamento obtido junto do setor financeiro (2,2 mil milhões de euros) e do exterior (1,8 mil milhões de euros)".

O endividamento dos particulares aumentou 2,0 mil milhões de euros, refletindo o incremento do financiamento obtido junto do setor financeiro.

 

Ademar Dias

Partilha este artigo